segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Uma História para Nunca Esquecer

Eu nasci na Itália, e vim para o Brasil com três anos para conhecer meu avô, mas na véspera de minha viagem aconteceu uma tragédia, meu avô morreu. Lembro de ver minha mãe triste e isso só aumentava minha vontade de tê-lo o conhecido, pois naquelas lágrimas pude perceber que meu avô foi um homem bom. Por muito tempo fiquei com aquela vontade dentro de mim, mas um dia levantei-me e percebi que nem tudo estava perdido, eu ainda tinha a chance de conhecer uma parte de meu avô, pois minha mãe era parte de vida dele e poderia me informar sobre passagens e momentos marcantes de sua vida.
Perguntei a minha mãe sobre meu avô, e ela me disse chorando que a palavra certa para descrevê-lo, era simplesmente a palavra "descontraído", pois meu avô não se importava com o que os outros diziam dele, mas o que realmente lhe importava era sua família em geral, mas de uma forma especial, seus filhos.
Uma passagem que lembrava muito meu avô, segundo minha mãe é que ele chegava com enigmas em casa que só ele conseguia decifrar. Minha mãe inclusive ria ao se lembrar de quando o pai dela lhe oferecia um chiclete e ela sem pensar duas vezes dizia que sim, ele com uma voz calma perguntava onde ela queria o chiclete, e ela respondia "Debaixo da cama" e ele simplesmente lhe falava "Vai lá buscar!". Minha mãe ria em contar que ela saia correndo para ter certeza de que ninguém teria tempo de colocá-lo no lugar pedido, chegava lá respirando fundo, ou melhor quase sem conseguir respirar de tanto correr, e quando ela olhava, lá estava o chiclete, embaixo de sua cama.
Minha mãe me deu uma caixa com moedas antigas e notas de vários países, que meu avô pediu para me entregar quando fizesse dez anos, pois ele mesmo não tendo me conhecido, falava que eu iria ser uma linda moça e seria responsável suficiente para cuidar do que era dele antigamente. Essa caixa tem uma história muito longa, mas, resumindo, meu avô ganhou quando fez dez anos, sua mãe lhe deu para que pudesse guardar uma coisa especial, que um dia poderia ser passado pela sua família. Hoje ainda tenho vontade de ter lhe conhecido, mas dentro de mim, uma parte o conhece, pois suas passagens mais marcantes estão dentro de mim, ou melhor dentro do meu coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário